Comer Motivado pela emoção x Comer Emocional

Comer Motivado pela emoção x Comer Emocional

No último post falei um pouco das principais diferenças entre a fome física e o comer emocional. Começar a perceber os sinais do nosso corpo é fundamental para ter um boa relação com a comida, identificando não só O QUE comemos, mas COMO e POR QUE comemos.

Mas qual a diferença entre comer motivado pela emoção e comer emocional?

Bom. Todos nós sem exceção comemos motivados pela emoção. Desde crianças, criamos vínculos com os alimentos, e a comida é responsável por carregar memórias, construir e manter relações que vão muito além das nossas necessidades fisiológicas.

A comida está relacionada a cuidado, a amor. É irracional se despir de todas as emoções que a comida nos traz, e por isso, não devemos fazê-lo. É óbvio que vou sentir alegria ao comer meu prato favorito (por exemplo arroz, feijão, carne e couve), e até que nesse sentido, a fome se une a vontade de comer naquela refeição. Assim como, a comida da vovó irá me lembrar de momentos especiais da infância. De forma oposta, provavelmente, se eu não gosto de cebola, e vejo que o prato principal do local onde fui comer está cheio de cebolas, isso pode fazer com que eu perca minha vontade de comer, mesmo estando com fome. Tudo isso faz parte e é absolutamente NORMAL, é o que chamamos de relação com a comida.

O comer motivado pela emoção pode e deve estar associado a fome física!!!

O comer emocional, por sua vez, é comer numa tentativa de regular o estado emocional, uma forma de lidar com nossas emoções, e é ele que deve ser evitado. Por exemplo: estou me sentindo triste pois perdi o emprego, e vou descontar minha tristeza comendo um pedaço enorme de bolo de chocolate. Percebe a diferença? Se a fome física não for o problema, comer não será a solução, certo?

Agende sua consulta: https://www.doctoralia.com.br/marcela-gallo-oliveira/nutricionista/valinhos

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: